Este é o Tempo

Este é o Tempo

ESTE É O TEMPO PARA ESPERAR CONTRA TODA A ESPERANÇA, PARA TRABALHAR PELA JUSTIÇA E PELA PAZ, PARA AMAR AS PESSOAS, PARA AMÁ-LAS UMA A UMA

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

«Imperou e ganhou a Europa dos Direitos Humanos»


Federação Portuguesa pela Vida elogia Parlamento Europeu por rejeitar votação de resolução sobre 
«direitos sexuais e reprodutivos»

 A Federação Portuguesa pela Vida (FPV) saudou a decisão do Parlamento Europeu que esta terça-feira rejeitou a votação de uma proposta de resolução da eurodeputada Edite Estrela que pretendia o “reconhecimento de um suposto ‘Direito ao aborto’”.
“É com alegria e regozijo que a Federação Portuguesa pela Vida vê a decisão tomada, considerando-a auspiciosa para o sucesso da Iniciativa Europeia ‘One of Us’ que visa defender a Vida Humana e as Liberdades Fundamentais e inalienáveis de todos os cidadãos europeus”, explicam os responsáveis, num comunicado recebido pela Agência ECCLESIA.
Segundo a FPV, a “proposta radical da deputada portuguesa [Edite Estrela] pretendia ainda a restrição do direito à objeção de consciência” pelos profissionais de saúde, o acesso “à reprodução artificial por mulheres solteiras e lésbicas” e uma educação sexual das crianças “livre de tabus”, que desse uma imagem “positiva” dos homossexuais e transexuais”.
Na votação o Parlamento Europeu devolveu à Comissão da Igualdade e dos Direitos da Mulher a resolução da eurodeputada socialista, na qual se propunha a prestação de “serviços de aborto de ‘alta qualidade’ por todos os sistemas nacionais de saúde dos Estados membros, bem como o financiamento público das organizações que prestam tais serviços”, acrescenta o comunicado.
A Federação Portuguesa pela Vida entende que “imperou e ganhou a Europa dos Direitos Humanos” porque se esta proposta tivesse sido aprovada seria “mais uma violência sobre as mulheres e uma afronta às liberdades individuais tuteladas nos direitos civilizados”.
Lisboa, 23 out 2013 (Ecclesia)